A Associação Profissão Jornalista (APJOR) realizou no sábado (05), em São Paulo, no Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé um debate sobre as mudanças por que passa a profissão, a necessidade de uma nova lei que seja o Estatuto do Jornalista e a criação do conselho profissional de jornalistas.

O evento foi transmitido ao vivo pelo facebook e serviu para recolocar em discussão um tema que é tão importante para a categoria. Contou com a participação do professor Manuel Carlos Chaparro, que enviou um vídeo intitulado “Jornalismo X Jornalistas”.

Na abertura do evento, Fred Ghedini, presidente da APJOR, fez um relato os problemas da legislação da profissão que, com a queda a exigência do diploma, transformou-se em uma ‘casa vazia’ – na expressão utilizada por ele.

Historiou, também, o debate sobre a criação de um conselho profissional entre os jornalistas, do qual há registros desde os anos 1940.

Fake News atualiza a questão do conselho profissional

Disse que a questão das Fake News atualiza o debate: “Se tivéssemos um Conselho hoje, ele estaria discutindo o papel do jornalista diante dessa conjuntura polarizada, em que há um risco enorme de as Fake News fazerem um belo de um estrago nas eleições de outubro”, explicou Fred.

Ghedini disse, também, que defende um conselho do tipo associação civil em vez de um conselho autárquico, como são os 29 conselhos profissionais existentes no Brasil. Mas com conselho que estivesse previsto em legislação específica, semelhante à legislação do jornalista em Portugal, que compõe o Estatuto do Jornalista, com os princípios éticos lá inscritos.

“Não seria um conselho com o caráter punitivo, mas com o sentido de induzir o uso das boas práticas e a observância da ética jornalística, fazendo um meio de campo entre os jornalistas e a sociedade nessa questão”, defendeu o presidente da APJor.

Mas deixou claro que essa é uma posição pessoal dele, da qual partilham alguns outros colegas da APJor. Citou o caso do jornalista Jorge Reti, que participa do Movimento Jornalistas Pró-Conselho, e que escreveu um texto defendendo o conselho autárquico.

Ghedini defendeu, também, que devem ser feitos estudos que serão apresentados para animar um grande debate, com a participação maciça dos jornalistas e, também, da parcela da população que se interessa pelo tema.

Chaparro: profissionais estão perplexos diante das mudanças

Em sua participação, em vídeo gravado especialmente para o debate, Chaparro falou sobre a profunda transformação no jornalismo e de como os profissionais estão perplexos com isso, o que faz com que as discussões sobre a profissão não vislumbrem grandes caminhos.

“Eu penso que nunca o jornalismo foi tão importante e se o jornalismo é importante, a profissão também pode ser. A grande questão que este seminário pode colocar talvez seja essa: é o jornalismo do mundo atual, o jornalismo da revolução digital, da globalização e da instantaneidade que tem que se adaptar aos limites conceituais da profissão ou é o contrário?”, questionou Carlos Cahaparro.

No final das apresentações, foi realizada uma roda de conversas com os participantes que debateram o tema e o avanço das ações da APJor em prol das discussões em relação ao Conselho.

O Vídeo gravado pelo professor Chaparro pode ser visto no link

0
0
0
s2smodern