Imprimir
Categoria: Jornalismo
Acessos: 1962

A edição de 2020 do relatório Violações à Liberdade de Expressão da Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert), referente a fatos ocorridos em 2019, aponta que no ano a imprensa brasileira sofreu quase 11 mil ataques diários pelas redes sociais.

É a primeira vez que o relatório, divulgado na quarta-feira (11-03-2019), contempla esta modalidade de ataques.

De acordo com o estudo encomendado pela Abert à Bites – empresa de consultoria que faz monitoramento digital – 130 milhões de brasileiros com acesso à Internet produziram 6,2 bilhões de posts no Twitter no ano passado. Desse volume, 39,2 milhões tinham conteúdos com a combinação das palavras mídia, imprensa, jornalista e jornalismo.

Os número mostram que a imprensa sofreu 9 mil ataques diários produzidos por perfis e sites mais conservadores e 1,9 mil por perfis mais à esquerda, o que dá um total de quase 11 mil ataques diários

O relatório da Abert registrou ainda 56 casos de violência não letal, que envolveram pelo menos 78 profissionais e veículos de comunicação. As agressões físicas, como socos, pontapés e disparos de balas de borracha continuam sendo a principal forma de violência não letal. Os autores das agressões foram principalmente políticos ou ocupantes de cargos públicos. Em seguida, estão jogadores, torcedores e técnicos esportivos.

Em relação a 2018, houve uma redução de 50,87% no número de vítimas. A redução não significa, porém, que houve uma melhora na percepção sobre a importância do trabalho da imprensa. Conforme a Abert, o Brasil continua apresentando um cenário preocupante para o exercício do jornalismo.

A íntegra do relatório está no link https://tinyurl.com/wssocke.

 

 

0
0
0
s2smodern
powered by social2s