Crescente interesse de jornalistas e veículos estrangeiros pelo Brasil amplia o leque de visões sobre a realidade do país e reforça necessidade de buscarmos maior diversidade na mídia autóctone

O interesse da imprensa e de jornalistas estrangeiros pelo Brasil tem gerado frutos de boa qualidade. Estão aí publicações na Web da BBC Brasil, do El País, da Deutch Welle (DW Brasil), do HufPost, do BuzzFeed e do The Intercept, entre outros.

O inglês The Guardian faz parte desse rol, mesmo que mais timidamente, ao publicar textos em português, sem ter uma redação no país. Sua mais recente iniciativa foi incluir São Paulo na série de reportagens sobre cidades pelo mundo afora.
É sem dúvida interessante poder contar com jornalistas brasileiros – e de fora – fazendo suas coberturas sob o ângulo de outras linhas editoriais que não aquelas já conhecidas nossas.

A APJor quer ver avançar a diversidade das formas de propriedade e das linhas editoriais dos veículos jornalísticos que atuam no país. Faz falta, entre nós, uma regulação que incentive o incremento dessa diversidade.

Como exemplo da diversificação das pautas e dos ângulos de cobertura, há a série de reportagens do Guardian, citadas na nota do colega José Alberto Gonçalves (Beto) que esteve no evento realizado pelo Guardian em 30 de novembro sobre os temas de sua cobertura.

“Guardian Cities produz cobertura especial sobre São Paulo

Projeto do jornal The Guardian apoiado pela Fundação Rockefeller, o Guardian Cities publicou na semana passada uma série de reportagens sobre alguns dos mais importantes desafios socioambientais e culturais da da cidade de São Paulo. A cobertura pode ser acessada na página https://www.theguardian.com/cities/series/sao-paulo-live

Para levar a cabo a iniciativa, o Guardian trouxe a São Paulo sua equipe do Cities, liderada pelo editor do projeto, Chris Michael. O grupo foi reforçado por Dom Phillips, correspondente do Guardian baseado no Rio, Jonathan Watts, editor global de meio ambiente do jornal e ex-correspondente do Guardian na América Latina, e de jornalistas e fotógrafos freelances. A redação do Guardian em São Paulo trabalhou na sede da ONG Repórter Brasil.
Entre os temas abordados na cobertura, podemos destacar a falta de moradia e a explosão das ocupações na área central da cidade, a relação entre o desmatamento na Amazônia e as secas em São Paulo, a luta do Teatro Oficina contra o projeto das torres do Grupo Sílvio Santos e a mobilização dos índios Guarani em defesa de seus territórios na capital paulista.

Uma das principais reportagens foi produzida em parceria com a Agência Pública, apontando que 80 favelas atingidas por incêndios estão localizadas em terrenos cujo valor supera em 76% o preço médio de lotes com habitações precárias na cidade.

Na noite de quinta-feira (30/11), a equipe do Guardian Cities promoveu um evento na galeria Pivô, no edifício Copan, para discutir temas candentes na agenda da cidade, como as ocupações, as desigualdades e a polarização política. Cerca de 200 pessoas compareceram ao evento, muitas delas jornalistas.

A mesa foi mediada por Dom Phillips, correspondente do Guardian no Brasil, e contou com Guilherme Boulos, membro da Coordenação Nacional do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), Raquel Rolnik, professora da FAU/USP e ex-Relatora Especial da ONU sobre Direito à Moradia Adequada, Oliver Stuenkel, professor de Relações Internacionais na FGV, e Ana Aranha, Coordenadora de Jornalismo da ONG Repórter Brasil. Veja a cobertura do debate em https://www.theguardian.com/cities/2017/dec/02/its-not-just-extra-rich-and-extra-poor-paulistanos-respond-to-sao-paulo-live
Mumbai (2014), Moscou (2015), Cidade do México (2015), Lagos (2016) e Jacarta (2016) foram as outras cidades que receberam a equipe do Guardian Cities nas chamadas “live week”. O foco dessas séries especiais do Cities é cobrir assuntos relevantes mas pouco destacados pela mídia local.

Texto e foto de José Alberto Gonçalves Pereira.

 

0
0
0
s2smodern